terça-feira, 3 de março de 2015

land art inverno praia grande 2012


é de manhã

O sol aquece o potrinho e sua mãe
eu, com pena sigo,
ainda tenho duas praias pra passar;
não passear!
Só vou pelo caminho mais belo
e mais longo
vale cada minuto.
Nem paro na Praia Grande os cães podem me ver
mas na Prainha ...
tudo prata
a moça pedala
quisera fosse eu
mas sigo embora
o dia começou
tudo pra fazer. 

domingo, 1 de março de 2015

São Francisco de Assis

Quando cheguei em casa estava aqui
tão fraco que mal ficava em pé
havia comido o pouco que os dois Bobis deixaram
seus olhos borrados de lágrimas e muco
o corpo curvo os ossos de fora
lavei os olhos dele com água destilada e sai,
comprei um remédio para sarna
e salsichas.
Assim engoliu o comprimido,
viu o gato abanou a cauda
saiu.
Deitou na grama ao lado,
os dois Bobis chegaram,
um deles não aceitou o intruso
como se eles também
não o fossem.
Bobicão nem ligou,
Hoje enquanto eu passava remédio nas suas feridas
ele deitado no meio da rua
a vizinha passou
viu. 
Lembrou do amigo
 que sonhava com um cão daquele porte;
imediatamente o trouxe
e houve amor a primeira vista;
levou embora o gigante enfraquecido.
Eu grata ao meu santo de devoção.
viu minha aflição e o universo se encarregou de juntar
o cão e seu dono
não mostro a foto hoje que bati
mas quando estiver lindo e forte
bato e posto
aqui


sábado, 28 de fevereiro de 2015

sexta feira a tardinha

antes da chuva
que caiu exatamente as 17 horas
depois da chuva mas
já estava mais fresco
e um ventinho
hoje sábado
chove
´Tem alguém lá de cima
que não gosta de quem trabalha?
 

ao varrer

Antes que a chuva desabasse
fui varrer o jardim
na sombra brotou
da umidade 
um outro jardim;
de cogumelos!
Que misturados as
flores caídas pelo vento 
formam um jardim dentro do outro
O resto pode esperar
e se aqui for o lugar dos duendes?
sonhar ajuda a viver
novamente nem toco,
assim se fez minha mata
dos meus encantos pelos brotos
tão frágeis nascendo 
a sombra é meu ar refrigerado.


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

o reflexo do museu

A casa fatiada
em fotos
o Museu de fundo
o mangue atrás
bem mais longe o porto
que movimenta
e tira a cidade
da preguiça
O calor daqui não oferece
conforto
a brisa do mar
é barrada pelos morros
que recortam
a cidade
Na praia também
não há vento
nem brisa
só mar
diferente de ontem
voltei a noite
e caminhamos,
em paz molhando os pés
na água transparente

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

O dia mais curto

Ficamos menos tempo,
mas a água morna e cristalina
convida a muitos banhos,
aceito e entro varias vezes;
enquanto Anna conversa com todos;
pois todos são amigos de longa data
quase trinta anos
uma vida 
Cada qual com sua história
suas dores seu problemas
que se dissolvem aqui;
aqui somos um
completa integração com a natureza.