terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Sonho de verão
doce realidade
poucos dias faltam
e a outra realidade
me espera
luz fluorescente
TV na sala de espera
Grata por estar aqui!!
Já já volto pra lá
Também é bom trabalhar
viver por mim
pagar as minhas contas
Sem muita explicação
As duas realidades
se cruzam se completam
Um pé dentro do sonho, a água
o outro dentro da realidade.
Viver.
 
 

domingo, 25 de janeiro de 2015

Na chuva

As bancas este ano
padronizadas
não fecham com a chuva
padrão também no que oferecem
preferência da maioria
todas vendem
a mesma comida
exceto a da praia Grande
lá varia.


Sábado

Sol, fim da ressaca;
mar grosso


que em nenhum momento
intimida
o garoto de stand up.

Indiferente

Ao movimento da praia
o pescador segue sua tarefa
recolher a rede
remendar
preparar
para a próxima madrugada


quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

muitos dias de calor e um dia de frio

Enquanto alguns se banham
e bebem muita água
no calor;
bastou esfriar um pouquinho
que outros dormem de colherinha
Já o dono da casa
testa as malas
e aprova todas
mas nunca viaja!

a restinga e o mar

Ora manso, ora feroz
avança sobre a restinga
e a faixa de areia encolhe
aos poucos a mar toma conta de tudo
a agua aquece
quase morna
nunca foi assim.


terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Mila, Inês e a terra estrangeira

Quando parti daqui
Fui morar no estrangeiro
perdi minha melhor arma
a palavra
Mila foi meu anjo
com simplicidade me ensinou muito
todos os caminhos
todos os atalhos
fez tudo com afeto
ganhei lá uma amiga
perdi aqui
não a encontro mais!
Quando cheguei ganhei um
enorme dicionário;
Você não vai sair de casa mesmo
não vai precisar o de bolso.
Sai, trabalhei
tirei minha carta de motorista
andei de trem
visitei museus
quase sempre só.
Fui voluntária em um asilo de velhos
La aprendi a língua
bem mais enxuta que a nossa
Virei dama de companhia
Ai aparece Inês( se fala Ainês)
Mulher rica e solitária
aparecem também as
funcionárias do asilo
que ela vivia 
todas como eu estrangeiras
Tratei-as com a mesma fúria com que fui tratada
Cuidei de Inês e ela melhorou.
E voltei
Aqui não tem calçamento
nem rede de esgoto
aqui não tem a limpeza exagerada
nem tantos carros
nem dinheiro
mas pertenço
a este chão
sou feita deste barro
aqui sou feliz.
Mesmo quando estou triste.