Arquivo do blog

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

a espera

A casa foi assaltada mais de uma vez
a família resolveu deixar 2 cães dos que moravam com eles 
aqui na praia sozinhos, alguém da comida;
mas não cuida!
Se cuidasse um deles não teria morrido enforcado na sua própria coleira,
sobrou a idosinha, cabeça branquinha;
late pra tudo, arredia;
 o vizinho do lado
não vem em casa todo o dia,
porem quando esta em casa, 
compadecido, da o que ela não tem,
atenção, carinho, afeto.
Ontem ao sair de casa,
a vejo silenciosa 
sentadinha de frente para o muro
que divide as duas casas
esperando o vizinho carinhoso acordar!!
Amor e gratidão conquistado!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

a hora do silencio

O almoço engolido
o beijo apressado
a casa vazia 
fresca e escura
não deito, desabo, 
 passarinhos, cão que late 
parece tão longe 
o gato resmunga
peço silencio
schhhhh
Ele pula na cama,
se acomoda 
afundo uns segundos
neste silencio dentro de mim,
o corpo pesa na cama
respiro fundo,
o despertador avisa.
É hora;
vinte minutos 
e retorno
pedindo
mais calma,
mais escuro,
mais silencio!
Um pouco do fazer nada
no escuro do meu quarto.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

o difícil desvencilhar


Pessoas, objetos, memórias
Principalmente aquelas memórias que insidiosas entram 
caminham desinibidas antes do sono
que nos acordam;
que nos fazem sofrer outra vez!
Das pessoas....me desvencilho; sempre a mesma pergunta
Vivi tanto tempo sem elas,
Foram importantes, foram boas companhias
ocuparam o vazio da existência,
E depois se foram
sem endereço sem face
a voz, os atos gentis ou não, ficam
gravados.
Este ano de rupturas e de aceitação
Aceitações dolorosas,
rupturas libertadoras,.
Vai embora sem saudades
Só Anna que seguramos a mão,
ambas as duas e a fazemos seguir,
sua jornada solitária;
esta sim, dolorosa pois partiu meu pai e ela ficou
e conta os natais que passa sem ele 
e pergunta inúmeras vezes 
eu respondo a cada vez como se fosse a primeira e sinto também
a fisgada de dor que ela sente.
E o deixei ir, estava na hora 
hora de viver hora de morrer e a gente vai embora.
Ano novo logo chega e este não deixa saudades
Mostrou a cara sombria do facismo
Ano que vem o da ressaca moral de muitos!
E me desvencilho também da expectativa de dias melhores
Não serão, talvez iguais 
Acostumar com o peso no peito que há anos não sentia.
Volto a sentir 
Vai passar, diz minha amiga parodiando o santo!

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Sueli

Morena de lábios cheios
cabelo muito liso, azul de tão preto era;
filha de d.Olinda, mulher corajosa que ficou 5 dias 
de arma em punho junto com suas duas filhas pequenas 
a espreita,
depois que mataram seu amado marido com um tiro só;
na nuca! 
Por desavenças de terra!
Mas isto foi no início do século, na fronteira do Rio Grande!
Esta viúva valente nunca mais casou apesar de bela,
( diz o folclore que atirou um gato, que dormia no sol, em um atrevido).
Cuidou das duas filhas bonitas também.
A mais jovem, Sueli, a morena, a índia, veio a ser a minha sogra,
mulher de silêncios,
a mulher metódica,
de horários,
de afazeres, de caminhadas,
de desvelo aos seus 3 guris.
Com a mãe, parceira que esteve ao seu lado ate a morte;
cuidou da família quietamente.
Os sorrisos vieram com os netos.
Depois dos netos sorriu.
E nós as duas; tão diferentes nos parecíamos
eu a entender a ela e ler seus silêncios!
Aquela casa tão masculina.
No sul do sul.
E as duas em volta a cuidar.
Protegeu, amou, perdeu o filho mais moço sofreu, adoeceu.
Em dor sem gemidos 
Em dor sem lágrimas
Partiu silenciosamente do jeito que viveu.
Os seu amados netos estão agora se despedindo.
Partiu para o outro lado do caminho
aonde esperam por ela 
a mãe dedicada, o marido apaixonado e o filho caçula
Foi em paz, merecida paz.


segunda-feira, 3 de setembro de 2018

A minha mãe e a tia Bebeth

Na hora de por as luvas
a mãe erra os dedinhos 
pôe dois no mesmo lugar, ri conserta comenta 
da mão pequenina;
depois pela mão leva a menina que eu fui, enfeitada, 
meia e sapato branco para o aniversário,
venta invariavelmente na cidade fria.
Nem todo o aniversário era bom,
haviam crianças hostis, agressivas,
tudo devolvido em meu próprio aniversário!
Corta!
A cidade agora é grande linda e quente
muito quente,
la mora a minha tia preferida 
 mais linda que a cidade,
 Ao visitar a rede de televisão,
era paquerada nos corredores da rede Globo, 
pelo galã da novela do momento!
A prima da mesma idade ao passar pelo Maracanã
sempre comentava que minha cidade cabia la dentro,
toda a população; inteirinha!
E íamos a museus, como íamos!
Era o programa anual de minha tia, 
Alem da praia que não precisava de companhia
 morava a duas quadras da praia.
Um destes museus queimou ontem 
e eu chorei
Minha tia nem deve lembrar que nos levava 
Eu nunca esqueci
ainda hoje é o meu programa predileto.
 Agora eu moro em uma cidade menor ainda; 
se passar com minha prima pelo Maracanã
ela certamente dirá que cabem 10 São Chico la dentro
e eu vou sorrir feliz!


terça-feira, 21 de agosto de 2018

a hora da partida

Um certo torpor, amanhece;
emerge de um sonho cheio de amigos
conversas, caminhadas .
A luz do teto volta a ferir os olhos
parentes mais jovens acordam cansados;
sorriem ao desejar bom dia,
a faze do constrangimento já passou, faz muito tempo
agora é esperar que o nó se desfaça
que a vida se acabe
que a dor passe
que tudo termine logo
O tempo não tem mais sentido
a vida também não
a velhice veio junto com
dor limitações doenças
a morte é o desfecho
esperado por todos
o hospital, o último estágio.
A casa não foi projetada pra tanta idade.
La na casa
eram felizes
tinham netos pequenos
tinham planos a curto prazo,
 sabedoria mais alegria
eram um par e tanto.
O tempo comeu o entusiasmo
comeu a saúde
a habilidade
e agora só resta esperar
pena que foi tão rápido
pena que foi tão bom.
Difícil desapegar
engole as lágrimas
 ninguém percebe.
O entra e sai de enfermeiras e médicos
impedem de descansar, impedem de morrer.
Mas uma noite se desprende
sensação de vertigem cair no vazio
depois flutuar
partir.

terça-feira, 31 de julho de 2018

ACONCHEGO DOS SONS

Em um canto, quieta, ao longe, ainda ouço a voz da minha avó,
retalhos de conversa, não identifico com quem,
Sentia então um sentimento de aconchego,
o mesmo sinto hoje
mais de sessenta anos depois.
Deitada no escuro, 
ouço a voz de minha mãe,
pedaços de conversa
e o sentimento é o mesmo.
Aconchego, sinônimo de felicidade,
que passa pelo corpo da gente feito um raio;
e some,
Mas fica o eco do momento,
se bem guardado, juntando com outras sensações,
armazenamos um bocado de momentos,
breves, mas juntos, nos sustentam por um bom tempo.
É só abrir a gaveta da memória feliz
e dispor destes hiatos no meio do caos 
das nossas vidas em atropelo.
Identificar e guardar. 
eu no barco minha mão na água fria 
 meu pai na proa! 
A mão firme do avô segurando a minha, com a outra mão a bengala ,
cala olha o céu ouvindo o passarinho!
bem-me-quer, mal-me-quer de margaridas desfolhadas
então vem os cheiros,
pisando na grama úmida.
e os partos ah os partos 
do medo ao êxtase em um segundo!